12 de março de 2012

Há uma esperança!

12 de março de 2012, esse dia ficará na história do futebol! Nesse dia Ricardo Teixeira renunciou o comando da CBF após 23 anos. Ele não verá 2014 em suas mãos e quem sabe nem queira ver depois deste revira-volta intenso. Como já ouvi muito em minhas aulas de História: "Nenhum império dura para sempre!". E hoje acabou a "Era Ricardo Teixeira".

Podemos considerar uma vitória, afinal, ainda existem esperanças de mudança. RT foi o ditador que caiu e que espero que nunca mais teremos, pois dificilmente terá alguém tão competente em concentrar tanto poder por tanto tempo, fazendo o que foi feito.

Encontrar alguém que cursou essa escola de "competência corrupta" será difícil e José Maria Marin com certeza não será esse cara. Ao se envolver na polêmica do rouba da medalha do goleiro Matheus Caldeira, na final da Copinha em pleno palanque no Pacaembu ele não soube se explicar ao ter recebido a notícia de que todo o Brasil viu. Disse que foi um presente da federação! Será que alguém caiu nessa?

De duas uma: ele agrada (ou finge que agrada) os brasileiros ou então morrerá com a corda no pescoço. A postura não é de alguém experiente. Teixeira sabia o que fazia. Planejava cada passo para todos os seus esquemas desaparecerem, todavia um dia isso ia aparecer. O tapete ficou cheio e toda (será?) sujeira que tinha por debaixo foi revelada.

Apesar de tudo que já aconteceu neste lado escuro da força nós ainda temos esperança. É bom lembrar que pode haver uma mudança. Com certeza a corrupção não vinha só de Ricardo, contudo a primeira peça caiu e quem sabe não comece o dominó como foi com os ministros de Dilma?

Acompanhe o NossoFutebolClube também por Twitter e Facebook

2 comentários:

  1. Fico feliz pelo fim da era Ricardo Teixeira, mas infelizmente não consigo acreditar em mudanças por causa da renúncia do RT não. Pra mim o problema é maior que ele.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente o problema é maior, mas com ele eu tinha certeza que seguiríamos na mesma. Com sua queda ainda me resta esperança!

    ResponderExcluir