16 de junho de 2013

Uma pedra no sapato do Brasil

A Seleção Espanhola, para muitos, já era a maior favorita ao título da Copa das Confederações, antes mesmo da competição começar. Eu sempre fui contra esse favoritismo, visto que acreditava que o fator casa pesaria consideravelmente a favor do Brasil. Entretanto, após a vitória da Fúria sobre o Uruguai, neste domingo, mudei completamente a minha concepção e vejo que a Espanha será uma verdadeira pedra no sapato do Brasil.


Xavi e Iniesta são os maiores maestros do mundo e o único que pode equivaler-se a esses dois, Andrea Pirlo, não está na Seleção Brasileira. Essa dupla não sabe o que é errar um passe ou perder uma bola e assim ajudam a Seleção Espanhola a manter a sua exagerada posse de bola (hoje foi 71% a 29%).

A forma como detém o controle do jogo não favorece apenas o ataque, que possui diversas oportunidades de gol, mas também a defesa, a qual é pouco ameaçada. Esse é o trunfo espanhol, que dará trabalho ao Brasil, o qual possui um ataque pouco eficiente e uma defesa ainda defeituosa.

Se quisermos vencer a Seleção Espanhola deveremos corrigir nossas falhas até lá. Neymar, Oscar, Hulk e Fred precisam conseguir aproveitar mais as chances de gol que temos, pois diante do time de Vicente Del Bosque elas serão menos frequentes. E se nossa defesa falhou ao defender nos poucos ataques que sofremos nos últimos jogos, eles terão que melhorar muito isso, visto que Soldado, Pedro, Fábregas e companhia terão muito mais chances do que nossos adversário anteriores.

Por mais que tenhamos uma seleção "em obras" precisamos nos arrumar rapidamente, caso contrário, nos restará apenas torcer para a Espanha ser eliminada logo e assim não nos enfrentar no caminho à final. Mas vamos ser realistas, essa segunda opção é bem mais difícil.

Facebook | Twitter

NFC Cast #6 - Brasil 3 x 0 Japão


NFC Cast dessa semana comentará tanto a excelente vitória da Seleção Brasileira sobre o Japão, na abertura da Copa das Confederações, quanto abordará o tema dos protestos que se iniciaram na cidade de São Paulo e alcançaram neste sábado o Distrito Federal. O Brasil de Felipão jogou o futebol pontual, sem desvios, que todos esperavam e quando a situação já estava resolvido abusou de lances de efeitos, e venceram uma seleção fraca facilmente, como deve ser.
Felipe Simonetti e Vitor Foschi (Alçapão do Santista) dialogaram sobre o desempenho da Seleção Brasileira e responderam perguntas sobre o time legitimamente brasileiro, ou seja, em obras, de Felipão. Hulk ou Lucas, quem deve ser o titular? Como anda Neymar na Seleção? Quem foi o melhor do jogo de hoje? Isso e muito mais no NFC Cast #6.

Duração: 00:24:44
Música: O Rappa - Vem pra Rua

Download

Facebook | Twitter

15 de junho de 2013

Rumo ao título

O Brasil mudou da água para o vinho. Com a saída de Mano Menezes e a entrada de Luiz Filipe Scolari a seleção nacional mudou de postura. Ainda não jogam o futebol que todos gostariam de ver com lances e gols plásticos e fantásticas goleadas, mas isso chega até a ser utópico.


O futebol da Seleção Brasileira de 1970 possivelmente jamais será visto novamente, portanto devemos adaptar nossos pedidos. Vitórias por 3 a 0 (como foi hoje contra o Japão e na semana passada contra a França) e empates com boas demonstrações (como a por 2 a 2 contra a Inglaterra) devem ser os novos pedidos dos brasileiros, que convenhamos, não seriam nada exagerados.

Bons jogadores para atender a esses pedidos dos torcedores nós temos. Neymar provou com o seu golaço aos três minutos nessa estréia da Copa das Confederações que é sim o craque do Brasil. Paulinho é sim o volante ideal para a nossa equipe, visto que defende e ataca como poucos jogadores dessa função. E Oscar poderá ser nosso maestro em 2014, fato confirmado com o passe fantástico para o gol de Jô que concluiu a goleada sobre a seleção nipônica neste sábado.


A presença dos outros jogadores ainda é importantíssima e alguns dúvidas ainda ajudam à evolução do Brasil. A indecisão sobre quem jogará na meia-direita (Hulk ou Lucas) cria um clima de competição saudável, o qual provoca evolução do nosso futebol.

A experiência de Felipão deu novas feições à Seleção. Agora, o Brasil sabe aproveitar melhor as suas chances e não teme mais as outros potencias do mundo da bola. O time de Oscar, Neymar, Thiago Silva, Marcelo e companhia começa a ganhar forma: a forma de um campeão não só da Copa das Confederações, mas quem sabe da Copa do Mundo.

Facebook | Twitter

4 de junho de 2013

NFC Cast #5 - Brasil X Inglaterra e Neymar no Barcelona


A Copa do Mundo está por vir e alguns estádios já estão prontos para este grande evento. Um exemplo é o Maracanã, que em sua estréia oficial acolheu torcedores brasileiros e ingleses para o jogaço entre os dois países.

Na minha conversa com o blogueiro Vitor Foschi, do blog Alçapão do Santista, além de discutirmos esse 2 a 2 e avaliarmos cada jogador, abordamos a ida do melhor jogador brasileiro dos últimos anos, Neymar, para o Barcelona. Confira nesta quinta edição do NFC Cast esses assuntos:


Comente deixando a opinião ao redor desses temas.

Facebook | Twitter

1 de junho de 2013

A Era Pós-Neymar


Neymar deixou o Santos de deixará muita falta, visto que o time já sente falta de uma referência em campo para a qual podem tocar e resolver o jogo com um drible, uma passe ou um chute certeiro.

Ao mesmo tempo que Neymar deixará saudades, saindo pela porta da frente, Muricy Ramalho não tem o mesmo destino; mesmo vencendo dois campeonatos paulistas, uma Recopa e uma Libertadores, o técnico era bastante criticado pela torcida e parece que não deixará saudades.

Raramente sou a favor da demissão de um técnico, ainda mais um que venceu uma Libertadores, e era contra a saída de Muricy até a semana passada. Mas o que aconteceu para eu mudar de opinião? Basicamente a saída de Neymar, que mexerá completamente com o time que terá que partir mais para cima e tentar vencer sem o craque da onze. E partir pra cima não é lá o jogo do Muricy, era bem mais provável que colocasse três volantes e buscasse espaços no contra-ataque, justamente o que a torcida não quer e o Santos não precisa. Mesmo sendo um bom treinador, já era hora do Peixe respirar novos ares e fazer uma reformulação geral no time para se livrar da dependência do de Ney.

Para substituí-lo vejo como mais adequado os nomes de Mano Menezes ou de Dorival Júnior. O primeiro deu muito certo enquanto treinador do Corinthians, já o segundo obteve sucesso no próprio Santos ao lançar Neymar como grande jogador e venceu uma Copa do Brasil.

Fala-se muito no técnico Marcelo “El Loco” Bielsa, que já foi zagueiro do Peixe, logo possui uma identificação com o clube, e treinou o Athletic Bilbao na campanha do vice-campeonato da Europa League. Entretanto para se adaptar ao futebol brasileiro, o argentino precisará de tempo e terá de contar com a paciência dos torcedores, o que não costuma haver no Brasil.

Em meio a todas essas duas importantes saídas do Peixe, o time apresentou sua nova camisa home. Simples e diferente de tudo o que eu esperava no Santos a camisa ainda me causa estranheza. O amarelo na manga não é lá das cores que mais encaixariam no clube, quem sabe um dourado, um cinza ou até um azul poderiam cair melhor. Fora do corpo ela é melhor do que vestida na apresentação (quem sabe em campo eu mude de opinião).

Unindo todos esses momentos, subtraindo as saídas e restando as novidades no time existem dois meninos que tem tudo para serem as novas joias do alvinegro praiano: Victor Andrade e Gabigol, justamente os jogadores-modelos na apresentação do uniforme. Eles são a esperança da torcida santista,que quer que depois da Era Neymar, sejam esses dois os nomes em evidência no clube e no Brasil.

Facebook | Twitter