8 de maio de 2014

A taça é (por um piscar de olhos) minha


A taça da Copa do Mundo é o item mais cobiçado, tanto por torcedores como por jogadores, no mundo do futebol. Nesse contexto, fica claro que a exposição da taça nas capitais do Brasil atrairia um enorme público e que uma boa estrutura deveria ser oferecida. Cabe reconhecer, no entanto, que (como pude constar em minha visita nessa quinta feira, 8, quando esse símbolo veio a Vitória) a organização decepcionou e me senti um Charles Chaplin perdido em uma apressada linha de produção fordista que estimula cada vez mais a ideia do “ter” e não do “ser” e do “viver”.