19 de julho de 2014

O mundo e a bola: Club Deportivo Palestino


O conflito Israel-Palestina tem ganhado novamente espaço nos noticiários. Os bombardeios do Estado Judeu contra as tentativas de lançamento de mísseis do grupo terrorista palestino, Hamas, com o resultado de centenas de mortes palestinas e poucas judias aterrorizam o mundo. Alguns acreditam na defesa de Israel, detentor de uma desenvolvida tecnologia bélica, outros veem a inocência dos árabes, ainda há quem veja um meio termo, entretanto o “o mundo e a bola” prefere não tomar partido de nenhum lado, apenas expor uma história curiosa.


O conflito


O território onde hoje existe Israel (tendo a faixa de Faixa de Gaza e a Cisjordânia com maioria palestina) já foi pertencente à Palestina, mas na década de 40 com o massacre de Hitler os judeus realizaram uma diáspora rumo à “terra prometida”. Com muito dinheiro passaram a dividir o território com os palestinos (árabes e muçulmanos) o que gerou conflitos não só étnicos como também religiosos.

Deste ponto para frente ocorreram várias propostas de distribuição de território sempre favorecendo Israel e, logicamente, sendo negada pelos Palestinos. Com guerras e vitórias israelenses (devido ao dinheiro e investimentos externos) a Palestina sumiu e o Estado Judeu foi criado gerando ainda mais briga. Neste momento entra a curiosa história que apareceu neste ano de 2014.

CD Palestino

O Chile é o país com a maior colônia palestina do mundo com mais de 350 mil pessoas. O número de moradores é tão grande que há até um time em homenagem ao tal país, o Club Deportivo Palestino. O clube homenageia e briga pelo restabelecimento de um estado totalmente palestino com todo o território “roubado” pelos judeus (como alegam os mais extremistas).

A identificação é tanta que até as cores são as mesmas da bandeira: verde, preto, branco e vermelho. Entretanto, não para por aí. Em janeiro de 2014 o clube apresentou seu novo uniforme e a curiosidade fica por parte da fonte. O que era para ser o número “1” é no uniforme a silhueta do antigo território palestino (antes da fragmentação a partir de 45) causando uma enorme polêmica na comunidade judia chilena.

O presidente do clube, Fernando Aguad, alega que tal homenagem sirva para "aprofundar a relação do clube com as origens, para torná-lo um legítimo representante da Palestina, não somente da comunidade chilena". Ele ainda acredita que não haja problema e nem incite algum sentimento antagônico, já que clubes judeus abertamente apoiam o país.

Ocorreram diversos processos contra o clube, mas Alejandro Carrasco seguiu vestindo a camisa 11 com dois mapas da Palestina até que a Federação Chilena de Futebol os puniu com uma multa e a proibição do uso do uniforme. Hoje, a equipe usa "1" em uma fonte tradicional.

E você, o que acha da polêmica? Vê o clube no direito de se manifestar dessa forma ou acredita que é realmente uma agressão desnecessária que não cabe no futebol? Deixe seu comentário.

Facebook | Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário