10 de outubro de 2011

Planeta Bola: O ressurgimento da Vecchia Signora


Uma tenebrosa passagem pela segunda divisão, tempos de vacas magras, sem o direito de jogar em seu legendário estádio, atuações poucos brilhantes. Esta foi a situação da Juventus nos últimos anos.

De fato, é estranho ver o tão tradicional clube passar por tudo isso em tão pouco tempo, porém, a Vecchia Signora vai mostrando que essa temporada pode ser a temporada e o time tem a oportunidade de voltar a brigar por um título, vendo assim a sua fanática torcida novamente de bem com a equipe.

Para essa temporada, a diretoria da Juve não poupou esforços e trouxe jogadores pouco badalados em meio ao grande público. No entanto, de uma precisão e eficiência incrível. Os destaques dos recém-chegados ficam por conta do volante Pazienza (ex-Napoli), o meia Pirlo (ex-Milan) , o meia-atacante Vidal (ex-Bayer Leverkusen) e os atacantes Elia (ex-Hamburgo) e Vucinic (ex-Roma).

Com a contratação de bons nomes, a venda de jogadores "indesejáveis" também ocorreu e, mantendo algumas boas peças da última temporada, a Vecchia Signora mostrou que pode chegar forte, mas ainda tem muita coisa a se acrescentar em cima desse ressurgimento.

A inauguração do Juventus Stadium parece apenas mais um detalhe, parece. Enquanto muitos acreditam que ter uma casa própria não atrapalha, um estádio de propriedade do clube dá uma moral maior aos jogadores e, o mais importante, inflama uma já fanática torcida, que faz um excelente papel como um 12° jogador, e, como esperado, o tradicional clube italiano se aproveita bem disso.

Eis que sobra o fator que, talvez, vem fazendo a maior diferença. Antonio Conte sempre demonstrou muita raça e disposição quando era jogador, foram 12 anos muito bem passados na Juventus, o que fez com que ganhasse o status de ídolo pelo seu papel de líder dentro de campo. Mesmo sabendo que sua relação com a torcida poderia ficar abalada, o ex-jogador aceitou o convite de treinar o clube onde fez sua história e acabou por mudar toda a cara de uma equipe buscando a reconstrução.

De fato, a Juventus tem poucos jogadores diferenciados em seu plantel. Pirlo e Del Piero são os que mais merecem esse quesito, contudo, o segundo não pode atuar todos os jogos pela sua condição física, resta o meia ex-Milan que deu uma cara nova ao meio-campo do time, ditando o ritmo de jogo e abrindo espaço para a crescente de outros jogadores, caso de Marchisio.

Em meio a tudo isso citado acima, Antonio Conte acrescentou uma pitada de suas duas principais característica de quando era jogador: raça e disposição. Com isso, o time foi ganhando cada vez mais sua cara e, se acertando aos poucos, o bom futebol passou a ser apresentado, aumentando as expectativas.

Falar que o time é o grande favorito ao título é bem precoce, no entanto, a grande vitória sobre o Milan no fim de semana passado, mostrou que a Vecchia Signora tem condições de chegar bem e voltar a jogar de igual para igual contra os demais grandes. Turbulências internas, antes comuns, parecem não existir, mas, a qualquer hora podem voltar, basta Conte e cia manterem a calma que o ressurgimento pode ser sacramentado.

Felipe Ferreira (@felipepf13) tem 14 anos, é fanático por esportes, sobretudo o futebol, e escreve em seu blog: http://territorioesportivo.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário