27 de novembro de 2011

8 de novembro de 2010: Pobres Águias



O portistas se lembram até hoje do memorável dia 8 de novembro de 2010; o Dragão goleou as "pobres águias" benfiquistas por 5-0. Falcao e Hulk (ou Úlque, como os portugueses preferem chamar) deram um show, dois gols de cada e participações significativas em diversos outros lances de perigo da equipe azul. André Villas-Boas comandava o Porto do banco, poucos imaginavam que essa goleada era o "início" de um ano brilhante.

A goleada começou cedo no lotado Estádio do Dragão, que abrigava cerca de 50 mil pessoas. Aos onze minutos o brasileiro Hulk abusou e pedalou para cima do conterrâneo, David Luiz, para então bater cruzado nos pés de Varela que apenas arrumou e fez o primeiro dos cinco gols daquela noite. O Benfica tentava se recuperar, porém a equipe de AVB ia forte para o ataque. Oito minutos após o gol, o camisa 12 portista tabelou na entrada da área e disparou um chutaço que fez o espanhol Roberto tremer debaixo das redes, entretanto esse não foi segundo gol portista (seria algo melhor).

Jorge Jesus não conseguia comandar a equipe, eles estavam perdidos e a dupla Hulk-Falcao abusou disso. Novamente o brasileiro iniciou uma jogada que terminaria em gol. Ele pedalou e tocou na lateral desnorteando a defesa benfiquista. Um cruzamento do lado direito do ataque deixou o colombiano dono da camisa 9 entre altos zagueiros encarnados, porém isso não foi problema. Falcao tratou de marcar de calcanhar (ou letra) o 2 a 0.

O 3 a 0 saiu na defesa portista. Belluschi recebeu um passe impressionante originado de seu campo defensivo; já dentro da grande área o camisa 7 cortou de Sidnei e serviu o matador Falcao para fazer o terceiro ao 28 minutos ainda do primeiro tempo.

O Benfica criou pouco, mas até que bem, entretanto Helton estava lá para salvar os chutes perigosos das águias de Lisboa. Roberto novamente tremeu. Em jogada ensaiada de escanteio de Hulk, Guarín recebeu a ponto de cabecear, todavia mandou para fora. O jogo se encaminhava para o final e o 3 a 0 já parecia muito, porém Fábio Coentrão fez "questão" de marcar um pênalti em Hulk aos 33. O camisa 12 bateu e confirmou a goleada, 4 a 0.


A goleada estava construída, não obstante faltava a cereja do bolo e o monstro portista fez questão de colocá-la no cantinho de Roberto. Hulk disparou mais um de seus mísseis e esse teve destino certo, o gol. Uma bomba indefensável para fechar o placar aos 45 da segunda etapa.

O dia 9 de novembro foi festa em Portugal, ao menos em Porto. Os jornais do litoral sul português fizeram questão de provocar os encarnados que amanheceram quietos após o baile do dia anterior. Já os da capital apenas citaram a goleada, com vergonha do que haviam visto. Realmente aquele dia foi marcante para a nação portista, ficará em suas memórias como mais uma vitória; quem sabe até melhor do que um título.

Pretendo seguir essa série com publicações de partidas que marcaram o mundo e a mim. Deixe sua opinião sobre o que acha deste gênero de postagem e o que sentiu ao ser essa lembrança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário