13 de dezembro de 2012

É (sou) campeão!



“100% de esforço onde houver 1% de chance”. O popular ditado citado expressa a raça e comprometimento que devem ser dados, principalmente, nas situações difíceis. Pensamento, o qual o Tigre não seguiu a risca na noite desta quarta-feira, quando preferiu não voltar ao gramado no segundo tempo.

A final não é uma situação cotidiana a nenhum clube, por melhor que ele seja, portanto o humilde time argentino não poderia ter desprezado-a, independentemente do que aconteceu no vestiário com a polícia, os seguranças ou os jogadores do São Paulo. É também importante ressaltar que só houver toda essa desavença devido ao comportamento indisciplinado dos argentinos dentro e fora de campo na Argentina e no Morumbi.

Apesar de toda essa discussão em relação ao o que teve e o que deixou de ter no vestiário do Morumbi a partida foi muito feliz. Feliz para mim, que como são-paulino voltei a sorrir depois de quatro longos anos sem título, com uma conquista. Feliz para o meia Lucas que se despede demonstrando habilidade (devido a seu gol e sua assistência para o gol de Osvaldo), humildade (pelo choro sincero demonstrado na festa) e principalmente sensatez nos momentos de desavenças com os adversários. E feliz obviamente para o clube que valorizou seus jogadores e conquistou novos torcedores, após essa meia-vitória por 2 a 0.

Essa conquista deve-se principalmente a um nome, o do camisa sete que como disse o capitão do Tricolor, Rogério Ceni “é o diferencial” e “abre as defesas adversárias”. Desejo sorte ao Menino de Ouro que a partir de janeiro viverá em Paris, todavia sempre carregando um pouco de São Paulo consigo, já que como o próprio Lucas disse, ele ama “esse clube”.

Independentemente do que houve nos bastidores, o São Paulo foi merecedor do título. Lucas foi merecedor dos prêmios e do reconhecimento e o que importa, como disse o goleiro-ídolo tricolor não são os quadros que deixará no Morumbi e no CT, mas sim os que ele deixará na casa e no coração dos torcedores. O título de hoje não expressa apenas mais uma conquista, mas também o marco de uma história com Rogério Ceni, Lucas, Luís Fabiano, Ney Franco e tantas outras figuras agora importantes na história do "Maior do Mundo".

----

Nesses momentos a imparcialidade clubística é difícil de não ser exposta. Por este motivo optei pelo título "É (sou) campeão!", já que mostra uma visão até certo ponto imparcial, mas também como torcedor, quando revelo o que senti no decorrer da epopeia vista hoje no Morumbi.

Acompanhe o NossoFutebolClube também por Twitter e Facebook

2 comentários:

  1. Falei, claro que brincando: que pena que só sacaram os revólveres, pois se fosse eu, atirava em todos eles. Baixaria argentina. Não é a toa que o futebol e o país de modo geral estão como estão.

    Nunca jogaram bola, sempre fizeram catimba, mas de uns anos pra cá parece que desaprenderam, ou foi mesmo a crise que empobreceu o campeonato deles, de maneira que querem decidir tudo no tapa. Desta vez, nem no tapa ganharam! Bem feito!

    A imagem da noite é esta da foto: Grande Ceni. Mesmo que eu não goste dele, ele foi grande. Ou melhor, é!

    Saudações!!!

    ResponderExcluir
  2. FuteBRONCA,
    Realmente eles desaprenderam a jogar futebol. Faz muito tempo que não vejo um clube argentino em uma competição internacional jogando FUTEBOL. Como disse o Lucas, na entrevista pós-jogo, eles não voltariam para o segundo tempo jogar futebol, afinal, não jogaram futebol desde o primeiro jogo.

    Por mais que tenha sido imprudente tudo o que pode ter ocorrido nos vestiários é bom lembrar que tudo deve-se ao que o Tigre fez em campo.

    Abraço

    ResponderExcluir