18 de março de 2013

Que é verdade é, mas não é bem assim


Neymar já se tornou craque, tanto nacionalmente quanto internacionalmente, sendo assim, por várias vezes já foi capa de jornais e revistas seja da Espanha, da Inglaterra ou da Alemanha. Entretanto sua foto em grandes mídias nem sempre significa elogios ao craque; recentemente o camisa onze foi muito criticado por se jogar em lances de divididas e hoje (após a publicação de um vídeo comparando com Messi) a questão voltou a tona e os gritos de diver (ou cai-cai) voltam a ser direcionados à Ney.

O vídeo mostra uma realidade clara: enquanto Neymar prefere evitar a dividida e pedir falta em lances bobos, Messi insiste na jogada mais perdida até o juiz apitar a falta ou a bola parar no fundo das redes.

Que o camisa dez é melhor que o santista é incontestável e esse vídeo só serviu para reforçar essa tese, visto que o argentino tem a habilidade e determinação para se livrar de dois, três ou até quatro marcadores, enquanto o menino do moicano prefere mergulhar.

Sou um declarado fã de Neymar, porém, como bom crítico, devo reconhecer que não há justificativas para tanto cai-cai. Apesar de ainda evitar muitas vezes as divididas, há de se admitir que o que ele faz hoje não é nada perto do que fazia em 2010 ou 2011 - justamente os lances do vídeos - visto que está mais maduro e se tornando um grande jogador.

A grande diferença ("The Big Difference", como foi batizado o vídeo) demonstrada no vídeo já não é mais real a alguns anos - as jogadas mais recentes são de 2011. Sendo assim, pode-se concluir que o conteúdo do vídeo é completamente real, mas bem ultrapassado.

Facebook | Twitter

2 comentários:

  1. Felipe!

    Vi um vídeo uma vez, por isso meu comentário pode estar plausível de erro, mas só queria corrigir em uma coisa: tem lances recentes do Neymar sim no vídeo, contra o Corinthians, no clássico de três semanas atrás.

    De resto, muito bom, e concordo contigo.

    abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sem querer bancar o advogado do diabo, mas talvez já bancando: é fato que na Europa o respeito pelo companheiro de profissão é maior que na América. Creio que concordemos com isso. O que não quer dizer que lá não há botinadas. Mas deixo a questão: se jogasse há anos no Brasil e na Argentina, Messi teria o mesmo estilo que adota hoje? Ou apanharia tanto que largaria a bola ou mergulharia e cavaria faltas? Longe de defender Neymar, até porque ele não vem jogando lá isso tudo, fico com isso na cabeça.

    Saudações!!!

    ResponderExcluir