26 de maio de 2013

Quando é a hora de fazer as malas?

O Santos e o Brasil se despediram hoje do maior craque brasileiro dos últimos anos, o menino ousado e alegre; Neymar. Um empate por 0 a 0 com o Flamengo foi o último jogo do camisa onze que reforçará o Barcelona e infelizmente desfalcará o futebol brasileiro, assim como possivelmente farão Paulinho, Bernard e Fernando. O craque santista saiu no momento certo, já consagrado e buscando novos objetivos em sua carreira, mas afinal, quando é o momento certo para deixar o Brasil?


Neymar foi pontual, depois de já vencer a Libertadores, ganhar um hors-concours da Bola de Prata da revista “PLACAR” e ser inclusive aplaudido pela torcida adversária, o herdeiro de Pelé deixará o Santos para respirar os novos ares de Barcelona. Bernard e Paulinho ainda não chegaram a esse ponto, mas já são jogadores importantíssimos para seus clubes.

O primeiro tem uma proposta do Borussia Dortmund e, depois da Libertadores, seria um ótimo momento sair, visto que reforçaria um clube em ascensão e poderia crescer assim como Lucas está se desenvolvendo no PSG. O segundo já é um ídolo incontestável do Corinthians e tem boas propostas para brilhar na Europa. Deixar o solo brasileiro não seria um mal negócio, uma vez que poderia brigar para ser o melhor do mundo em sua posição e se firmar ainda mais na Seleção Brasileira.

Já Fernando ainda não chegou na hora de deixar o Grêmio. É um excelente volante, contudo ainda não tem futebol para ser titular nas melhores equipes do mundo. Seu destino provavelmente seria um clube mediano da Europa (apesar de falarem que o Real Madrid o cobiça), o que o faria cair no esquecimento.

O momento ideal para sair do Brasil é quando o jogador já está consagrado (Neymar), é ídolo (Paulinho) ou então, em casos mais extremos, é uma grande promessa (Lucas* e Bernard) e quer bater novas metas. A condição futebolística de seu novo clube deverá ser melhor do que a que está, ou seja, deve ir para um clube gigante ou em crescimento (como PSG e Borussia Dortmund) para ser titular e assim seguir em evidencia no mundo da bola. A carreira de um atleta deve ser bem traçada, pois uma escolha errada ou precipitada pode fazê-lo desaparecer nas furadas do mercado árabe e do futebol do leste-europeu.

*Este já era ídolo quando deixou o São Paulo.

Facebook | Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário