31 de julho de 2013

Luxa não é o problema (mas também não será a solução)

Boa parte da torcida do Fluminense trata a chegada do técnico Vanderlei Luxemburgo como um enorme problema. Não enxergo desta forma, porém concordo que não será uma solução.

O "profexô" realmente não obteve sucessos recentes em sua carreira e é muito criticado por muitas vezes assumir a posição de manager, o que vai muito além do papel de técnico, já que também se envolve com finanças do clube. Além disso existem acusações, de sonegação de impostos, abuso sexual a uma manicure e venda irregular de atletas.

Entretanto, há de se considerar que Luxa ainda é um dos melhores treinadores do país e, como destacou o blogueiro Rica Perrone, o Fluminense como clube grande e dono de um caro elenco não pode arriscar em um técnico de patamar menos elevado. Vanderlei ainda é um defensor do futebol bem jogado, bonito, pra frente, o que deve levantar os ânimos da diretoria tricolor e ganhar o apoio dos principais atletas (que são do setor ofensivo), o que - apesar de pouco frequente em sua trajetória - pode funcionar.

É bom lembrar também que todos os problemas do clube não estavam em Abel Braga (o qual me agrada mais que Luxemburgo, para evidenciar que não estou extasiado com sua contratação). Cada setor está, de sua forma, contribuindo para a crise tricolor. Sendo assim, não será a chegada de Luxa que mudará (nem para melhor, nem para pior) todo panorama atual do time de Fred, Deco e companhia.

Portanto, para o desempenho de Luxemburgo ser dos melhores, o ideal é que Peter Siemsen (presidente do Fluminense) e seus homens de confiança saibam cortar as asinhas do novo técnico quando necessário. Assim, ele não se envolverá com o dinheiro do clube e terá que receber um aval da diretoria para tomar atitudes menos comuns a de um encarregado para treinar e comandar jogadores. A torcida também tem que fazer a sua parte e ter paciência, aguardando o período de adaptação do técnico, e coerência, para não misturar a vida pessoal do novo técnico com a vida futebolística.

Nenhum comentário:

Postar um comentário