25 de julho de 2014

Os diabos mecânicos


A Copa do Mundo proporcionou um enorme desenvolvimento tático no futebol mundial. Nota-se isso na análise da equipe da Alemanha, que formou uma espécie de futebol total sem prender jogadores à funções; nem mesmo o goleiro. Joachim Löw, porém não foi o único "inventor". Van Gaal com um time com poucas expectativas fez uma ótima campanha, e o mais curioso: com uma nova tática que aparentemente será introduzida no Manchester United, seu novo clube.


O técnico holandês estreou no comando do clube inglês contra o Los Angeles Galaxy com uma vitória por 7 a 0 e já demonstrou que implementará o 3-4-1-2 que utiliou na Copa pela Holanda no United. O time apelidado de Diabos Vermelhos (com cara de Laranja Mecânica agora) que fez uma decadente temporada deverá ter um time mais homogêneo, mais dinâmico e bem distribuído em campo.

Há de se considerar que uma partida contra um time americano não é parâmetro para um gigante inglês, contudo o time pareceu muito bem encaixado. A zaga, composta por três, homens foi segura e para melhor aproveitamente é possível que Smalling perca espaço com a provável contratação de Vermaelen. Tendo um setor defensivo mais reforçado o time pode abrir mão de um volante de contenção, porém mesmo assim Van Gaal decidiu por Fletcher, que pode ceder espaço para Carrick (caso ele mantenha a mesma postura) ou para Fellaini (se quiser algo mais armador) ao lado do recém-contratado Ander Herrera.


Os pontas mostraram posturas bem diferentes. Enquanto Valencia apresentou sua conhecida característica de jogar com velocidade ofensivamente, o jovem Luke Shaw (que pode não ser titular na temporada regular) estreou no meio. O ex-Southampton não abandonou as funções defensivas, porém também participou nos cruzamentos.

O United parece se inspirar tanto na Laranja Mecânica do Mundial que seus três homens de frente também são as referências do time. Sneijder, Robben e Van Persie eram destaques no time holandês, hoje, Van Gaal, treina um time comandado por Mata, Rooney e o mesmo RVP. Claramente percebe-se que os atletas tem características diferentes: Sneijder já é mais ultrapassado que Mata, que proporciona mais velocidade ao time enquanto arma. Já Robben vive um ápice maior que o de Rooney, além de ser jogador de velocidade.  O "Shrek" não é ruim (muito pelo contrário) mas possui características de mais força de armação de jogo. Vale destacar ainda a presença de Welbeck na partida em Pasadena, o qual marcou um golaço e fez uma boa partida.

Van Gaal terá uma excelente equipe e toda a sua estruturação caira como uma luva em um time órfão de Sir Alex Ferguson, que caiu em tentação de apostar em um técnico razoável como David Moyes. Mata terá chances de ser o armador que prometia e Herrera e Shaw darão volume e qualidade ao plantel. Aposto em uma temporada diferente da passada, pena que não se verá esse timaço na Champions League.

Facebook | Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário